Sobre a Lemúria e Telos

 
Telos significa comunicação com o Espírito, unidade com o Espírito e compreensão com o Espírito.
 

A Era Lemuriana existiu aproximadamente entre 4.500.000 anos aC até cerca de 12.000 anos atrás. Até a submersão dos continentes da Lemúria e mais tarde da Atlântida, haviam sete continentes importantes neste planeta. As terras pertencentes ao gigantesco continente da Lemúria incluíam terras agora sob o Oceano Pacífico, como o Havaí, Ilhas da Páscoa, Ilhas Fiji, Austrália e Nova Zelândia. Além de terras no Oceano Índico e  Madagascar. A costa leste da Lemúria também se estendeu para a Califórnia e parte da Colúmbia Britânica no Canadá. Durante muito tempo, antes da queda de consciência, os lemurianos viviam em quinta dimensão ou frequência dimensional, e eram capazes de retroceder ou avançar da terceira para a quinta dimensão conforme sua vontade, sem qualquer problema. Isso podia ser feito sempre que fosse desejado, através da intenção e energias do coração.

A raça lemuriana era uma mistura de seres que vieram principalmente de Sirius, Alpha Centauri e também de outros planetas, em menor número. Após algum tempo, à medida que essas raças se misturaram na Terra, formaram a civilização lemuriana. Para dizer o mínimo, foi uma mistura maravilhosa. A Lemúria foi realmente o berço da civilização neste planeta, a Terra-Mãe, que ajudou no consequente nascimento de muitas outras civilizações. A Atlântida surgiu mais tarde.

O continente da Lemúria prosperou em estado de paraíso e magia por alguns milhões de anos. Finalmente, como resultado das guerras entre os dois principais continentes, grandes devastações ocorreram na Lemúria e na Atlântida. Vinte e cinco mil anos atrás, Atlântida e Lemúria, as duas maiores civilizações da época, estavam lutando entre si por "ideologias". Elas tinham ideias muito diferentes sobre como deveria ser o direcionamento das outras civilizações deste planeta. Os lemurianos acreditavam que as outras culturas menos desenvolvidas deveriam ser deixadas sozinhas para continuar sua própria evolução, em seu próprio passo e de acordo com seus próprios entendimentos e caminhos.

Os atlantes acreditavam que todas as culturas menos desenvolvidas deveriam ser trazidas sob a influência e controle das duas civilizações mais desenvolvidas. Isso causou uma série de guerras termonucleares entre Atlântida e Lemúria. Mais tarde, quando as guerras acabaram e a poeira baixou, não houve vencedor.

Durante essas guerras devastadoras, pessoas que eram altamente civilizadas desceram a níveis muito baixos até que finalmente perceberam a inutilidade de tais comportamentos. Em última análise, Atlântida e Lemúria tornaram-se vítimas de sua própria agressão, e as terras dos dois continentes ficaram muito enfraquecidas por essas guerras. As pessoas, através dos sacerdotes, foram informadas de que em menos de 15 mil anos, seus continentes afundariam completamente. Naqueles dias, considerando que as pessoas viviam em média de 20.000 a 30.000 anos, eles entenderam que muitos que causaram o estrago viveriam para experimentar a destruição.

Na época da Lemúria, a Califórnia era parte da terra lemuriana. Quando os lemurianos perceberam que sua terra estava destinada a perecer, solicitaram a Shamballa-the-Lesser, a cabeça da Rede de Agartha, permissão para construir uma cidade abaixo do Monte Shasta para preservar sua cultura e seus registros.

Para que lhes fosse concedida a permissão para construir uma cidade e se tornarem parte da rede subterrânea de Agartha, eles tiveram que provar que tinham aprendido suas lições sobre guerra e agressão. Eles também tiveram que provar isso para muitas outras organizações, como a Confederação Galáctica dos Planetas. E, também provar que tinham aprendido suas lições de paz para serem aceitos novamente como membros da Confederação. Quando a permissão para construir sua cidade foi concedida, estava entendido que esta área sobreviveria aos cataclismos. Já havia uma caverna de cúpula muito grande existente no interior do Monte Shasta. Os lemurianos construíram sua cidade, que eles chamaram de Telos, e que também era o nome de toda essa área na época, incluindo a Califórnia e uma grande parte do sudoeste dos EUA. Telos também incluia as terras ao norte do Monte Shasta ao longo da costa oeste, até uma parte da Colúmbia Britânica. Telos significa comunicação com o Espírito, unidade com o Espírito e entendimento com o Espírito.

"É quase com lágrimas nos meus olhos que eu lhes informo através de Adama que muitos de vocês, lendo essas palavras, estavam entre aquelas almas valentes que sacrificaram sua vida pelo benefício do coletivo."
 

Quando Telos foi construída, pretendia abrigar um máximo de 200 mil pessoas. Quando os cataclismos começaram, apenas 25 mil pessoas chegaram na montanha e foram salvas. Este número é aproximadamente o que restava da cultura lemuriana na terceira dimensão. Os registros foram transferidos da Lemúria para a cidade subterrânea de Telos e os templos foram construídos. A explosão que destruiu o continente chegou um pouco mais cedo do que o previsto, e por isso muitas pessoas não conseguiram se refugiar em tempo dentro da montanha. Sabe-se que a Lemúria, a amada Terra-Mãe, foi abaixo durante a noite. O continente afundou tão silenciosamente que quase todas as pessoas estavam totalmente inconscientes do que estava acontecendo. Praticamente todos dormiam durante o acontecimento. Não havia condições climáticas incomuns naquela noite. De acordo com uma transmissão dada por Lord Himalaya em 1959, através de Geraldine Innocenti, chama gêmea de El Morya, uma grande parte dos sacerdotes que permaneceram fiéis à Luz e sua sagrada vocação, como capitães em um navio afundando, mantiveram seus postos, e sem medo até o fim, eles cantavam e oravam enquanto afundavam embaixo das ondas.

"Antes que o continente lemuriano afundasse, os sacerdotes e sacerdotisas dos Templos foram avisados sobre as mudanças cataclísmicas que se aproximavam, e vários focos do Fogo Sagrado foram transportados para Telos, e outros foram transportados para terras que não seriam afetadas. Muitas dessas chamas foram levadas ao continente da Atlântida para um local específico e foram sustentadas por um período de tempo através de práticas espirituais diárias. Pouco antes da Lemúria afundar, determinados sacerdotes e sacerdotisas voltaram para suas casas no continente e se ofereceram para descer com a terra e Seu povo, ajudando com suas irradiações e oferecendo conforto e destemor. Eles ofereceram essa ajuda para neutralizar o medo, que sempre vem com ação catastrófica. Estes benfeitores amorosos, através da irradiação de suas energias controladas por Deus e de seu sacrifício, literalmente envolveram as auras do povo em um cobertor de paz e ajudaram a criar uma liberdade do medo para que os corpos etéricos não fossem tão gravemente marcados, salvando assim as pessoas em encarnações futuras, de ter que enfrentar maiores conseqüências trágicas".

Lord Himalaya na dispensação para o grupo "Ponte para a Liberdade" em 1959, disse: "Muitos membros do sacerdócio se colocaram em pequenos grupos, estrategicamente em várias áreas, rezavam e cantavam enquanto afundavam sob a água. A melodia que eles cantavam foi a mesma que se conhece hoje como "Auld Lang Syne". A ideia por trás dessa ação foi que toda experiência horripilante deixa uma cicatriz e um trauma muito profundos no corpo etérico e na memória celular das pessoas, e é preciso várias encarnações para curá-los. Mas através da ação e do sacrifício dos sacerdotes, optando por ficarem juntos em grupos e cantando até o fim, muito medo foi mitigado e um certo nível de harmonia foi mantido. Desta forma, o dano e o trauma para as almas que morreram diminuiu grandemente. Diz-se que os sacerdotes, juntamente com os músicos, cantavam e rezavam até que as ondas e a água subissem ao nível de suas bocas. Foi então que eles também morreram. Durante a noite, enquanto as massas dormiam, sob um céu azul estrelado, tudo acabou; a amada Terra-Mãe estava submersa sob as ondas do Oceano Pacífico. Nenhum dos sacerdotes tinha deixado o seu posto, e nenhum tinha evidenciado qualquer medo. A Lemúria foi abaixo com dignidade!

“Auld Lang Syne”   foi a última música ouvida na terra da Lemúria.
 
Ouça abaixo: Kenny G. (instrumental) ou na voz de Sissel, com tradução da letra.
 

     

A canção que eles cantavam, foi trazida novamente por algumas pessoas da Terra através do povo irlandês, e palavras muito proféticas foram colocadas nela como: "Deve ser uma antiga amizade esquecida?". Na verdade, somos esses velhos amigos que se reencontraram novamente, nós do reino físico com os nossos amados, antigos amigos e membros da família de Telos, ainda invisíveis, para a nossa visão atual e, espero, não por muito mais tempo.

Ouçam isso em seu coração, meus amigos, essas próximas frases. Antes que nossa querida Lemúria afundasse completamente, foi profetizado que um dia, em algum futuro distante, muitos de nós se reunirão novamente em grupo e cantarão esta música outra vez, com o conhecimento absoluto de que a "Vitória da Terra" foi conquistada. O tempo em que vivemos agora traz a celebração deste dia tão esperado e o cumprimento dessa incrível profecia. Agora nós estamos começando o início desta tão aguardada "Reunião".

É quase com lágrimas nos meus olhos que eu lhes informo através de Adama que muitos de vocês, lendo essas palavras, estavam entre aquelas almas valentes que sacrificaram sua vida pelo grande benefício do coletivo. Vamos aplaudir sua bravura então, e agora nos alegramos por nosso retorno juntos, mais uma vez, para continuar nossa grande missão lemuriana de ajudar o planeta e a humanidade na sua gloriosa ascensão.

Em Telos, um aspecto de sua missão tem sido manter o equilíbrio e as energias da consciência da ascensão para o planeta até que os moradores da superfície possam fazer isso sozinhos. Agora chegou a hora das duas civilizações fazerem isso juntas como "Um Coração".

Terra após o naufrágio dos dois Continentes

Ao mesmo tempo em que a Lemúria estava afundando, a Atlântida começou a tremer e a perder partes de sua terra, e isso continuou por 200 anos, até o estágio final, onde o resto do continente afundou completamente. Por 2.000 anos após as catástrofes da Lemúria e da Atlântida, o planeta continuou tremendo. Enquanto o Planeta perdia duas grandes massas de terra em 200 anos, ainda testemunhava os efeitos das armas termo-nucleares. A Terra havia sofrido um grande revés e trauma, que levou vários milhares de anos para se equilibrar e ser hospitaleira novamente. Por centenas de anos após a destruição de ambos os continentes, tantos escombros foram jogados na atmosfera que a Terra não brilhava mais à luz do dia. A atmosfera tornou-se muito fria porque a luz solar não conseguia penetrar apropriadamente através dos espessos restos atmosféricos tóxicos e pouca comida podia crescer. Uma grande porcentagem de animais e plantas pereceu.

Por que hoje há tão pouca evidência dos restos destas duas grandes civilizações?

A razão é que as cidades do planeta que não afundaram foram reduzidas a escombros, ou foram destruídas por terremotos ou por grandes ondas marítimas que frequentemente chegaram até 1.600 km para o interior e destruíram a maioria das cidades e habitações em seu caminho. As condições humanas nas civilizações que sobreviveram a esses cataclismos tornaram-se tão duras e difíceis por essa atividade terrestre constante e as pessoas ficaram tão assustadas que a qualidade de vida dessas civilizações se deteriorou muito rapidamente. Para aqueles que sobreviveram à todas aquelas calamidades, a fome, a pobreza e a doença eram seu legado.

Originalmente, a altura da humanidade no planeta era aproximadamente 3,6 metros. Os hiperboreanos tinham e, ainda têm, 3,6 metros de altura e nenhum deles vive na superfície no momento. Quando a Lemúria afundou, os lemurianos foram reduzidos a 2,13 metros de altura e continuam medindo entre 2,13 e 2,44 metros. Houve ainda uma redução da altura neste planeta, pois a maioria de nós na superfície tem 1,83 metros de altura ou menos. À medida que nossa civilização evoluir, isso será restaurado. Mesmo agora, as pessoas da superfície deste planeta estão se tornando muito mais altas do que eram há apenas 100 anos.

Governo de Telos

Em Telos, existem duas formas de governo. O rei e a rainha de Telos, Ra e Rana Mu, mestres ascensos que também são chamas gêmeas, compondo uma parte do Governo de Telos. Eles são a máxima autoridade em Telos.

A segunda forma de governo é o Conselho local, chamado Conselho Lemuriano de Luz de Telos, composto por 12 mestres ascensos, onde 6 homens e 6 mulheres servem no conselho para equilibrar o divino masculino com o divino feminino. Um décimo terceiro membro, o Sumo Sacerdote de Telos, neste momento Adama, desempenha o cargo de líder do Conselho para tomar a decisão final quando há empate de votos nas decisões tomadas pelo Conselho.

Os membros do conselho são selecionados de acordo com o nível de conhecimento espiritual alcançado, qualidades internas, maturidade e área de especialização. Quando um membro do conselho decide mudar para outro nível de serviço, a vaga é divulgada ao povo e aqueles que desejam um assento no conselho podem solicitar. Todas as solicitações são cuidadosamente estudadas pelo Conselho, pelos membros do sacerdócio e pelo rei e rainha de Telos. O rei e a rainha têm a última palavra sobre quem é escolhido entre os candidatos para estar no Conselho.

A Cidade de Telos

Telos é uma cidade relativamente grande, com aproximadamente um milhão e meio de pessoas. Estão divididos em várias aldeias que compartilham o governo local. Telos é dividida em 5 níveis de vários quilômetros quadrados abaixo do Monte Shasta.

O primeiro nível, a maior parte da população vive abaixo da cúpula nesse nível. É também onde estão situados os edifícios administrativos e públicos e vários templos. No centro deste nível fica o templo principal, chamado de templo de MaRa, um tipo de estrutura de forma piramidal. Sentam-se 10.000 pessoas de cada vez. Este templo é dedicado ao sacerdócio de Melquisedeque. A pirâmide é branca, com uma pedra fixa no topo, chamada de "pedra viva" que foi doada por Venus.

O segundo nível  é o lugar onde é feita toda produção e manufatura para atender as necessidades das pessoas e da cidade. É também uma área para várias escolas para crianças e aulas para adultos. Grande parte do povo vive nesse nível.

O terceiro nível é consagrado totalmente para os jardins hidropônicos, onde todo o abastecimento de alimentos é cultivado em cerca de 3 hectares de terra, produzindo uma dieta que é muito interessante e divertida, oferecendo muita variedade. Os métodos de jardinagem são tão eficazes que aproximadamente 3 hectares de terra são suficientes para cultivar abundantemente uma grande variedade de alimentos para alimentar um milhão e meio de pessoas, criando corpos fortes e saudáveis que não envelhecem.

Os jardins hidropônicos são capazes de produzir culturas de forma constante. Permitem cultivar alimentos muito mais rapidamente, usando tecnologia hidropônica avançada com muito pouco solo e muita água sem o uso de produtos químicos como se faz na superfície. A comida é totalmente orgânica e com alta vibração. Essa forma de jardinagem não precisa de fertilizantes e não esgota o solo. São colocados minerais orgânicos na água para as plantas. Os cultivos também são aprimorados e acelerados pela grande vibração de luz, energia e amor de Telos. Esta é a magia da consciência da 5ª dimensão que vocês logo descobrirão, muito provavelmente nesta década ou no início da próxima.

O quarto nível contém algumas atividades de jardinagem hidropônica, algumas de manufaturas e uma grande área de natureza, semelhante a parques com pequenos lagos e fontes.

O quinto nível é totalmente consagrado à natureza. Há árvores altas e lagos, como em um parque. Este é o lugar onde vivem os animais. Neste nível, muitas das plantas e animais preservados não existem mais na superfície. Todos os animais são vegetarianos. Eles vivem lado a lado em total harmonia, sem medo e sem agressão para com as pessoas e entre si. Telos é realmente o lugar onde o leão e o cordeiro ficam lado a lado e dormem juntos com total confiança.

A Nova Lemúria

A Lemúria continuou a prosperar e evoluir para uma consciência de quinta dimensão e até hoje, existe nesta dimensão superior.
 

Para todos vocês, lendo estas palavras, digamos que a Lemúria nunca foi totalmente destruída, como se pensa no momento atual. Ainda existe até hoje em quarta e quinta dimensões, ainda não é visível para sua visão e percepção de terceira dimensão. À medida que o véu entre essas dimensões continua a tornar-se cada vez mais fino, queremos assegurar-lhes que em um futuro não muito distante, (para aqueles engajados no processo de ascenção) sua querida Lemúria, em Seu novo Esplendor e Glória, se revelará de maneira muito física e tangível.

À medida que você se abre para uma maneira mais consciente de viver e se libera de todos os sistemas de crenças distorcidas e errôneas que você abraçou nos últimos milênios, poderá perceber sua amada Terra-Mãe, mais uma vez. Eventualmente, você poderá ser autorizado a entrar e será recebido por Ela com todo o Amor e o Esplendor que Ela agora oferece, convidado mais uma vez, a se juntar a nós de forma consciente neste lugar paradisíaco. Na época da explosão, a Lemúria e o que ela representava para este planeta foram elevadas para uma frequencia de 4ª dimensão. E continuou a prosperar e evoluir para o nível de perfeição e beleza chegando a 5ª dimensão.

Se esta informação traz lágrimas aos seus olhos, abra seu coração para curar as dores que estão dentro de você por muito tempo, deixe fluir, deixe fluir. Permita que o fluxo de suas lágrimas cure todas as partes do seu ser. Permita-se realmente sentir e acolha-o no coração através da respiração. Permita que todas as lembranças e dores sejam sentidas completamente, sem suprimir nenhuma. É assim que você produzirá sua cura, passo a passo.

Enquanto você respira e sente a dor, o seu Eu Superior irá dissolver e curar essas impressões para sempre. Peça ao seu Eu Superior para ajudá-lo a descobrir esses registros que o impedem de desdobrar sua nova e gloriosa realidade.

Na sua meditação diária, pedimos que você faça este trabalho com sinceridade até sentir sua completude. Conecte-se conosco e com nosso amor, de coração para coração. Peça nossa assistência, e nós estaremos com você enquanto faz este importante trabalho interno. Todos nós, de Telos, estamos muito ansiosos para ajudar todos aqueles que nos buscarão em seus corações. Somos uma civilização que alcançou grandes aberturas de coração e nossa vibração pulsa com o Coração da Mãe Divina. Gradualmente, as dores profundas serão retiradas e você se sentirá muito mais leve. A limpeza desta dor também o ajudará a relembrar a sua verdadeira identidade. Isso permitirá que você faça grandes saltos em sua ressurreição espiritual, emocional e física.

O Novo Dia, o Novo Mundo está prestes a nascer. Nós aprendemos nossas lições de Amor e a Nova Lemúria, o paraíso que estava perdido, está prestes a se manifestar novamente. Telos, a parte da Lemúria que permaneceu fiel à Luz e ao Seu chamado sagrado, foi elevada para a 4ª dimensão no momento do cataclismo. Nunca foi totalmente destruída, apenas o aspecto da 3ª dimensão. A Lemúria continuou a prosperar e evoluir para uma consciência de quinta dimensão e até hoje, existe nesta dimensão superior. E Telos, nossa amada Telos, e todas as pessoas extraordinárias que moram lá, são nossa "Porta" para este lugar maravilhoso.

Author and channel: Aurelia Louise Jones. Permission to use given by Victoria Lee of Mount Shasta Light Publishing. Copyrighted.